Publicado em: 12/ jan/ 2021

Marcelo Crivella é o 5º senador melhor avaliado em ranking da revista Veja

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) foi o 5º colocado no ranking elaborado pela da revista Veja com os melhores senadores do Brasil em 2011. Ao todo são 81 senadores no Congresso. O levantamento, divulgado na edição desta semana da publicação, também lista os melhores deputados federais, segundo os critérios da pesquisa feita em parceria com o Núcleo de Estudos do Congresso, do Rio de Janeiro.

A elaboração da lista levou em consideração a forma com que os parlamentares se posicionaram – seja em declarações ou durante votações no Congresso – em relação a oito temas principais: carga tributária menor e sistema tributário mais simples; infraestrutura; qualidade de gestão pública; qualidade da educação. Combate à corrupção; marcos regulatórios estáveis aplicados com transparência por agências independentes; diminuição da burocracia e equilíbrio entre os três Poderes.

De acordo com a revista, foram excluídos da análise os parlamentares envolvidos em escândalos ou de reputação duvidosa. A exclusão segue os critérios dos levantamentos feitos pela Transparência internacional.

Além da classificação numérica, o parlamentar ganha uma nota, de acordo com o grau de atuação no legislativo a favor ou contra os oito temas centrais estabelecidos pela revista. O senador Marcelo Crivella conquistou a nota 5,7, ficando atrás apenas de Francisco Dornelles (PP-RJ); Ana Amélia (PP-RS); Waldermir Moka (PMDB-MS); e Inácio Arruda (PCdoB-ES).

Já os cinco melhores deputados de 2011 foram: Eduardo Barbosa (PSDB-MG); Jorginho Mello (PSDB-SC); Mara Gabrili (PSDB-SP); Sandro Alex (PPS-PR) e Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

Entre as propostas de autoria de Crivella que tiveram destaque em 2011 estão a lei nacional que proíbe as empresas de estimular e premiar a pressa dos motoboys no trânsito, sancionada em julho; e a lei que proíbe o dono de imóvel residencial ou comercial de vender ou alugar vaga de garagem a pessoas de fora do prédio, aprovada pelo Congresso no último dia 17.

Fonte: R7.com